Copyright © Bate Chapas, oficina de imagem.
Todos os direitos reservados.

ba-studio.com

Historial

10 de Janeiro de 1996 marca a data oficial da criação do Bate Chapas, mas é ainda durante o curso no A.R.C.O. que tudo começa.  Marie Claire marcou o início de um percurso profissional e uma carteira de clientes invejável, dos quais, alguns já nos acompanham à mais de uma década, o que nos deixa orgulhosos da missão a que nos proposémos. Fotografamos porque gostamos, mas o nosso foco principal está centrado na satisfação dos nossos clientes. É num ambiente descontraído e acolhedor que, nos últimos 19 anos, temos desenvolvido imagens para as mais diversas agências de comunicação, publicidade, imprensa nacional e internacional assim como alguns clientes directos, todos eles igualmente relevantes no nosso processo de crescimento profissional.

Sustentamos os nossos procedimentos em determinados principios, procurando manter-nos actualizados e ir de encontro às ideias de quem nos procura.E, claro os milagres, não é por acaso que nos chamam a capelinha de Campo de Ourique.

C.V.

Paulo  Esteves

Nascido em Lisboa em 1972, realizou o curso de fotografia do Ar.CO entre 1993 e 1995, tendo recebido no último ano a bolsa da Kodak Portugal. Participou em várias exposições, vindo mais tarde a co-fundar a empresa Bate Chapas. Desde então, realizou catálogos e campanhas para os mais diversos clientes e agências, e publicou trabalhos na imprensa nacional e internacional (NY Times, Rotas e destinos, Maxmen, Maxim USA/Uk e Rússia, etc.).

Luís Gonçalves

Nascido em Lisboa em 1966, foi nos Açores onde passou parte da sua infância e da adolescência, altura em que deixou a pequena ilha onde vivia e regressou à cidade que o viu nascer.
Depois de passar por diversas actividades académicas e laborais decidiu ingressar no Ar.Co (escola de artes em Lisboa) à procura de mais ´in formação´, onde efectuou o curso completo de fotografia.
Em finais de 1993 dá os primeiros passos como fotógrafo profissional e desde então, não parou mais de fotografar. Muitas foram as pessoas e os produtos captados pela sua objectiva, muitas foram as histórias vividas e alguns somente meros episódios circunstânciais,  resultado de uma já longa carreira profissional.